Verba do Congresso foi usada para pagar combustível da família de ministro do governo

 


Notas fiscais revelam que veículos pertencentes a familiares do Ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), foram abastecidos com recursos da cota parlamentar da Câmara durante seu mandato como deputado federal. Entre abril de 2022 e agosto de 2023, o gabinete de Costa Filho utilizou verbas públicas para abastecer os carros de sua esposa, pai, irmão e cunhada, totalizando despesas de R$ 105,1 mil em um único posto localizado no bairro Casa Amarela, na região norte de Recife.

O ministro, que se licenciou em setembro para assumir o cargo no governo federal, alegou desconhecimento das informações, atribuindo a responsabilidade ao posto de combustíveis. O proprietário do estabelecimento, José Gerson Aguiar, admitiu um "equívoco contábil" ao inserir veículos de familiares na cota de combustível da Câmara. Aguiar afirmou que o gabinete especificava os veículos autorizados a abastecer com recursos da cota parlamentar.

Entre os veículos abastecidos, constam carros registrados em nome de Cristiana Bezerra (esposa do ministro), Carlos Antonio da Costa (irmão do ministro) e Silvio Serafim Costa (pai do ministro). O gabinete de Costa Filho apresentou notas fiscais referentes a 48 veículos diferentes abastecidos no mesmo posto, somando 10,8 mil litros de gasolina, 6,7 mil litros de diesel e 793,91 litros de etanol no período mencionado.

O gabinete de Costa Filho alegou ter cumprido todas as exigências da Câmara, apresentando notas fiscais para reembolso. O ministro negou irregularidades e declarou: "Não fizemos abastecimento em carros com placas de familiares. Na minha cabeça, estava tudo ok." A Câmara informou que os parlamentares são responsáveis pelas notas fiscais, enquanto a instituição verifica a regularidade fiscal e contábil.

A utilização da cota parlamentar para custear despesas relacionadas ao mandato de deputados federais, como combustíveis para veículos utilizados em redutos eleitorais, é regulamentada pelo regimento da Câmara. O limite mensal para esse tipo de gasto era de R$ 6 mil até janeiro de 2023 e foi posteriormente reajustado para R$ 9,3 mil.

O Ministério Público anunciou a abertura de uma investigação para apurar a regularidade dos gastos com combustível realizados pelo gabinete de Costa Filho durante o período mencionado.

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem