Magoado com os filhos mais velhos, Zagallo deixa 62,5% dos bens para caçula

 

O legado de Mário Jorge Lobo Zagallo, ícone do futebol nacional, adquire contornos polêmicos após a divulgação de seu testamento. O ex-jogador e técnico, falecido no início do mês, expressou profunda mágoa e decepção com três de seus quatro filhos. Zagallo acusou Paulo Jorge de Castro Zagallo, Maria Emília de Castro Zagallo e Maria Cristina Zagallo Ballester de tentativa de extorsão e anulação do inventário de sua esposa, Alcina de Castro Zagallo, falecida em 2012.

O renomado ex-atleta designou Mario Cesar de Castro Zagallo como inventariante, manifestando estar "profundamente triste e magoado" com os demais herdeiros. Conforme a divisão estabelecida, o caçula receberá 62,5% dos bens, enquanto os outros três filhos terão direito a apenas 12,5% cada. Vale ressaltar que, de acordo com a legislação brasileira, é obrigatório destinar 50% dos bens para os herdeiros diretos, sendo os outros 50% passíveis de livre direcionamento.

No caso do tetracampeão, ele destinou 50% dessa parcela para Mario Cesar, evidenciando a complexidade e as tensões envolvidas na sucessão patrimonial. A revelação do testamento coloca em destaque não apenas a grandiosidade de Zagallo no cenário esportivo, mas também as controvérsias e conflitos familiares que agora emergem como parte de seu legado.

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem