Polícia europeia já classifica PCC como cartel

 

Em seu mais recente relatório de maio de 2023 sobre a operação contra o tráfico de drogas na Espanha e em Portugal, a Europol, a polícia europeia, fez referência ao Primeiro Comando da Capital (PCC) como um "cartel". O PCC é uma facção criminosa originada nos presídios paulistas na década de 1990 e, segundo a Europol, ele foi incluído nessa categoria devido à sua capacidade de realizar diversas atividades relacionadas ao tráfico de drogas, como venda, transporte e lavagem de dinheiro, dentro de um único grupo criminoso.

A operação de maio teve como base uma apreensão ocorrida em junho de 2022, quando foram encontrados 800 quilos de cocaína escondidos em um contêiner com sacos de açaí congelados provenientes do Brasil, no porto de Sines, Portugal. Essa ação foi resultado de uma parceria entre a Europol, as polícias nacionais da Espanha e Portugal e a Polícia Federal brasileira.

De acordo com Claire Georges, vice-porta-voz da polícia europeia, os cartéis de drogas são grandes e sofisticadas organizações criminosas que controlam toda a cadeia do tráfico de drogas, incluindo transporte e lavagem de dinheiro. Nesse sentido, a Europol considera o PCC um cartel de drogas devido à sua capacidade de centralizar essas atividades ilícitas.

Além disso, as investigações também apontaram para atividades de lavagem de dinheiro do PCC em São Paulo, onde a Polícia Civil apreendeu 50 veículos de luxo, incluindo um McLaren avaliado em R$ 1,5 milhão. Esses carros de alto valor estariam sendo utilizados para lavar o dinheiro obtido com o tráfico de drogas e foram encontrados em agências de veículos supostamente ligadas à facção.

Quanto à presença do PCC na Europa, a Europol não divulgou informações específicas sobre a quantidade de membros do grupo que vivem no continente. No entanto, a polícia europeia destacou que o crime organizado brasileiro, de forma mais geral, tem tentado se estabelecer na Europa, especialmente no tráfico de cocaína. Da mesma forma, organizações europeias de narcotráfico têm demonstrado crescente presença no Brasil.

Para fortalecer o combate a essas organizações criminosas, a Europol aprofundou sua cooperação estratégica com o Brasil. Atualmente, a Polícia Federal brasileira mantém dois agentes de ligação na sede da Europol, em Haia, que fazem parte de uma rede internacional de mais de 250 agentes de ligação representando mais de 50 países e organizações.

Além disso, o governo dos Estados Unidos incluiu o PCC em sua lista de risco para ameaças à segurança nacional do país, ao lado de outras importantes organizações criminosas, como a tríade chinesa, a máfia italiana e a japonesa Yakuza.

Com o status de cartel de drogas atribuído pela Europol e a atenção das autoridades internacionais, o combate ao PCC se intensifica, buscando enfraquecer suas operações e proteger a segurança dos países afetados por suas atividades ilícitas.

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem