Novas denúncias de violência sexual contra padre Airton Freire

 

Padre Airton Freire, de 67 anos, foi preso nesta sexta-feira, dia 14, em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco, em decorrência da elucidação de novos casos de violência sexual sob investigação. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) divulgou que a medida cautelar tem como objetivo garantir proteção às vítimas que relataram crimes contra sua dignidade sexual.

O sacerdote está atualmente sendo investigado em cinco inquéritos policiais, conforme informado pela Promotoria de Justiça da Comarca de Buíque. Em um desses inquéritos, ele é acusado de estuprar a personal stylist Sílvia Tavares em agosto de 2022. Na denúncia, a mulher afirma que o motorista e segurança do religioso, Jailson Leonardo da Silva, de 36 anos, a forçou a ter relações sexuais com ele a pedido de Airton. Durante o ocorrido, Freire teria presenciado a cena enquanto se masturbava em uma área do terreno da Fundação Terra, fundada pelo próprio padre.

Segundo o Ministério Público de Pernambuco, a prisão preventiva se mostrava necessária para "garantir a continuidade das investigações policiais, que estão sendo acompanhadas pelo MPPE, para afastar o risco de reiteração do delito e para assegurar proteção às vítimas".

O Ministério Público informou que mais informações serão divulgadas em "momento oportuno".

Em maio deste ano, após as acusações, a Diocese de Pesqueira proibiu o padre de exercer suas funções. O comunicado, assinado pelo bispo José Luiz Ferreira Sales, determina que Freire está impedido de exercer o ministério presbiteral e qualquer cargo eclesiástico.


NOTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO

"O Ministério Público do Estado de Pernambuco tem feito exame criterioso dos elementos de prova até então colhidos e pauta-se pelas normas internas e internacionais inseridas no sistema jurídico pátrio, preocupado principalmente com os direitos humanos e com as medidas necessárias para resguardar e evitar revitimizações das vítimas que buscaram o aparato estatal para relatarem violências sexuais que estão sob investigação. A adoção de medidas cautelares em procedimentos dessa natureza, especialmente com a elucidação de mais de um caso, na visão do Ministério Público, acolhida pelo Poder Judiciário, mostra-se necessária para garantir a continuidade do trabalho investigativo da Polícia, que está sendo acompanhado pelo MPPE; afastar os riscos de reiteração delitiva; bem como assegurar proteção às vítimas que procuraram o Estado para relatarem fatos criminosos contra suas dignidades sexuais. A Promotoria de Justiça da Comarca de Buíque acrescenta que, no momento, há cinco inquéritos policiais instaurados, em razão da identificação de outras vítimas. Considerando a importância de uma análise célere e substancial de todos os fatos, a Procuradoria-Geral de Justiça designou mais três membros do Ministério Público para atuarem no caso. No mais, o Ministério Público mantém o acompanhamento das investigações a cargo da Polícia Civil. Por se tratar de inquéritos sigilosos, não serão divulgadas, no momento, mais informações sobre o caso."

">Reveja todo caso 

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem