Marcas de queio não são aprovadas por apresentarem bactéria e excesso de sódio

 

Pesquisa da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, Proteste, revela que nem todos os queijos disponíveis no mercado estão em conformidade com os padrões de saúde estabelecidos pela legislação brasileira. Foram testados um total de 49 produtos, incluindo queijo coalho, gorgonzola, ralado e processado. A análise laboratorial detectou a presença da bactéria Escherichia coli em excesso nos lotes de duas marcas de queijo coalho: Porto Alegre e SertaNorte. Essa bactéria, normalmente encontrada no intestino humano, pode causar dores abdominais e diarreias quando consumida em altas concentrações em alimentos ou água contaminada.

A presença da Escherichia coli nos queijos pode ser atribuída a problemas de temperatura e umidade durante o armazenamento, bem como à falta de higiene na manipulação dos produtos. Além disso, a Proteste comparou os níveis de sódio informados pelos fabricantes nas tabelas nutricionais dos rótulos com os valores encontrados nas análises laboratoriais. Foi constatado que os quatro tipos de queijo examinados apresentaram discrepâncias em relação ao limite estabelecido pela legislação brasileira, que determina que a quantidade de sódio no produto não pode exceder 20% do valor declarado no rótulo.

O queijo coalho Três Marias apresentou um teor de sódio 159% superior ao informado, o queijo ralado Gran Romano, 76,6% a mais, o gorgonzola Cruzilia, 94% a mais, e o queijo processado São Vicente, 36,3% além do valor declarado.

A especialista da Proteste, Mylla Moura, alerta que o consumo excessivo de sódio pode aumentar o risco de doenças crônicas, como hipertensão, acidente vascular cerebral, pedras nos rins e até câncer de estômago. A pesquisa também revelou que a maioria dos queijos analisados continha aditivos alimentares, substâncias químicas adicionadas aos alimentos para prolongar sua conservação ou fornecer cor, por exemplo. Embora todos sejam permitidos pela legislação brasileira nesse tipo de alimento, especialistas destacam que quanto menos aditivos, melhor.

Nesse aspecto, a Proteste destaca que o queijo coalho obteve melhores resultados, com apenas três das 16 marcas avaliadas apresentando um único tipo de aditivo. Já nos queijos processados e ralados, todos continham esses ingredientes, variando de dois a cinco tipos diferentes na composição.

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem