Ex-militar brasileiro é morto a tiros na frente da esposa em Portugal

 

No último domingo, dia 25, um trágico acontecimento abalou Grândola, vila do distrito de Setúbal, em Portugal. Alisson Gonçalves, ex-militar brasileiro de 35 anos, foi brutalmente assassinado a tiros diante de sua esposa, que está grávida. O crime chocante ocorreu dentro da residência do casal quando três criminosos invadiram o local, mantendo a mulher do homem como refém antes de dispararem três tiros fatais contra ele. Segundo informações fornecidas pela Polícia Judiciária de Setúbal, dois tiros atingiram Alisson no tórax, enquanto um terceiro acertou suas costas. Após a fuga dos assassinos, a esposa do ex-militar, grávida de cinco meses, conseguiu entrar em contato com as autoridades de emergência para pedir socorro. Felizmente, ela sofreu apenas ferimentos leves durante o confronto.

As investigações sobre esse caso hediondo levantam a principal suspeita de que Alisson tenha sido confundido com outra pessoa pelos criminosos. Após servir às Forças Armadas brasileiras entre 2007 e 2014, como parte da Brigada de Infantaria Paraquedista no Rio de Janeiro, o brasileiro decidiu se mudar para Portugal em 2018, onde trabalhava em um hotel na região da Comporta. Já sua esposa era proprietária de um salão de beleza, em parceria com seu irmão. A polícia informou que não há registros de conflitos ou desavenças envolvendo o casal ou quaisquer outras partes relacionadas na região.

Na noite de segunda-feira (26/6), a esposa de Alisson expressou sua dor e homenageou o marido nas redes sociais. "Não consigo conceber a ideia de continuar minha vida sem você. Você era, de fato, minha alma gêmea (...). Extremamente dedicado à família, um parceiro, amigo e companheiro", desabafou.

Neste momento de profundo luto, familiares e amigos do brasileiro uniram forças para arrecadar fundos através de uma vaquinha virtual, com o objetivo de custear o traslado do corpo de Alisson de volta ao Brasil, onde ele será sepultado.

Postar um comentário

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu.

Postagem Anterior Próxima Postagem