Comandavam de dentro da cadeia


Usavam celulares e até as esposas